TRABALHO INTERMITENTE

O trabalho intermitente consiste em nova forma de contratação trazida pela Reforma Trabalhista. Nesse modelo, os serviços podem ser prestados em períodos de alternância, conforme a necessidade do empregador.

O empregado poderá prestar serviços de qualquer natureza a outros tomadores de serviço, que exerçam ou não a mesma atividade econômica, utilizando contrato de trabalho intermitente ou outra modalidade de contrato de trabalho.

Atualmente, de acordo com a redação da Portaria MTB 349/2018, nesse tipo de contratação o contrato deve ser escrito e registrado na CTPS, ainda que previsto em norma coletiva, no qual deverá constar:

- Identificação, assinatura e domicílio ou sede das partes;

- Valor da hora ou do dia de trabalho, que não poderá ser inferior ao valor horário ou diário do salário mínimo, assegurada a remuneração do trabalho noturno superior a do diurno.

- O local e o prazo para o pagamento da remuneração.

Além de tais exigências, nessa modalidade de contratação devem ser observadas as seguintes regras:

- o empregador deverá convocar o empregado com pelo menos 3 dias de antecedência;

- o empregado terá o prazo de um dia útil para responder ao chamado, presumida, no silêncio, a recusa;

- a recusa da oferta não descaracteriza a subordinação para fins do contrato de trabalho intermitente;

- o período de inatividade não se considera como tempo de serviço à disposição do empregador;

- a contribuição previdenciária e o FGTS deverão ser recolhidos com base nos valores pagos no período mensal;

- a cada 12 meses trabalhados o empregado tem direito usufruir, nos 12 meses subsequentes, um mês de férias, período no qual não poderá ser convocado para prestar serviços pelo mesmo empregador.

O trabalho intermitente apresenta vantagens para ambos os lados da contratação. Isso porque possibilita que o empregador contrate apenas quando tenha necessidade; em contrapartida, concede ao empregado o direito de aceitar ou recusar a proposta, conforme a sua disponibilidade.

Entretanto, importante destacar que a introdução dessa nova modalidade de contratação é polêmica. Sendo que, inclusive, tramita junto ao STF duas Ações (ADI nº 5826 e nº 5829), que visam a declaração de inconstitucionalidade.

Jéssica Lima Piegas - OAB/RS 112.300

TAVARES E PANIZZI SOCIEDADE DE ADVOGADOS – OAB/RS 1774

Fones: (51) 3466-4177 - 3472-1856 - 3059-1444

Rua Victor Kessler, 194, Canoas/RS - CEP 92310-360 | tavarespanizzi@tavarespanizzi.com.br